domingo, 4 de março de 2012

O céu, o mar, o Tristão e a Margarida

Hoje fui ver o mar. Gosto muito mais de olhar o mar assim no inverno, como horizonte de um areal deserto, do que nos verões de calor e gentio. E fiquei-me ali a olhar para ele,  com uma chuvinha miúda a engrossar-lhe as vagas e o cinzento do céu a dar-lhe um beijo longo lá ao fundo. 

Agora há pouco, fui visitar o Tristão e a Margarida. A Margarida está linda de morrer, quase branca. O Tristão, cinzento, enorme, corre por todo o lado. Depois juntam-se pelos cantos e roçam os focinhos. O Tristão e a Margarida são os dois coelhos que consegui convencer o meu pai a deixar correr soltos no quintal desta casa adorada, agora cheio de relva rasteira e árvores com flor precoce. O Tristão e a Margarida são foffis, foffis. Um dia destes, tiro-lhes uma fotografia para vos mostrar. Só me lá falta a Olívia, a ovelha anafada que sonho ter desde que a minha Branca morreu, por alturas de quando tinha aí uns cinco anos. Estou quase a convencê-lo.

Foi uma tarde bem boa, pois foi!

5 comentários:

  1. eu trabalho com uma vista magnifica para o mar.....

    erva doce

    ResponderEliminar
  2. Sorrio, porque acho que, em regra, isso será uma coisa muito boa, um privilégio para quase toda a gente, mas, honestamente, não sei se seria feliz a trabalhar num sítio assim.

    Por isto:

    http://poraquipasseimesmoeu.blogspot.com/2011/12/porque-os-natais-tristes-nao-deviam.html

    ResponderEliminar
  3. Eu sou. Vivi algum tempo num lugar onde não via o mar....parecia que não consegui respirar!

    Gosto do mar...mas não gosto de andar em barcos pequenos( tenho medo).


    Mas aqui vejo chegar os barcos e os pescadores que vão para mar alto.


    erva doce
    erva doce

    ResponderEliminar
  4. Querida erva doce,
    eu também gosto de olhar para o mar, do poder que ele tem de nos fazer relativizar tudo. Olhar o mar é perceber como quase tudo é tão pequeno... Também não gosto de estar longe dele. Em Itália, como morava em Pavia, tinha rio, mas não tinha mar por perto. Talvez por isso, umas das mais fantásticas viagens que me lembro de ter feito foi uma viagem com um amigo, durante a noite, de Milão para Assis, pela costa este do país. A linha era, em algumas partes, no areal. Houve uma paragem de cerca de uma hora num apeadeiro e andámos a molhar os pés em Fevereiro :) Nunca mais vi nada assim. Cá, o que mais se aproximará, do que conheço, é a parte que fazemos na linha do Norte, entre Aveiro e o Porto, ali na zona de Ovar e Espinho. Mas, mesmo assim, estamos longe do mar, quando comparado com a minha memória dessa viagem em 2004. Portanto, eu gosto muito do mar, mas há alturas em que ele me assusta, em que prefiro não ter de me confrontar com tamanha imensidão. Só por isso é que digo que talvez não fosse feliz num sítio assim. Gosto de ir ao mar com saudades. Penso que não ia gostar tanto se ele se me impusesse. Só por isso :) Mas ainda bem que és alguém a quem o mar dá essa felicidade :)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar