terça-feira, 6 de março de 2012

Tão simplesmente

Há pouco, ao entrar no prédio, reparei que, em vez de uma senhora na casa dos 60, como é habitual, andava uma miúda a limpar as escadas. Cumprimentei-a, parei e perguntei "Aconteceu alguma coisa à senhora que costuma vir cá? Está doente?". A miúda ficou a olhar para mim como se eu tivesse dito uma grande coisa e diz-me "Não. É a minha mãe. Mas foi à terra tratar do meu avô." Sorri, disse que ainda bem, que esperava que o avô melhorasse e desejei-lhe bom trabalho. Ela disse-me "igualmente". Estava já com a chave na porta quando a ouço "Olhe, desculpe. Queria só agradecer-lhe ter reparado. Hoje estava a pensar que era invisível.".

E ainda estou a pensar nisto!

2 comentários:

  1. glup!

    Assustador e triste de tão verdadeiro.

    ResponderEliminar
  2. Glup. Foi exactamente isso que eu fiz.
    Foi uma coisa estranhíssima, Raquel!

    ResponderEliminar